LUTO PELO HAITI

Quem sabe em meio aos tremores de terra e ao horror das mortes olhem para ti, Haiti?

Brenda Marques Pena
Presidente do Imersão Latina e Cônsul de Poetas del Mundo em Belo Horizonte.

Essa é a pergunta que deixo aos companheiros da América Latina. E já que não é possível recuperar os mortos nesta tragédia, mostre solidariedade aos que sobreviveram. O Banco do Brasil abriu uma conta corrente para receber doações para as vítimas do terremoto no Haiti. Deposite sua ajuda na agência: 1606-3, conta: 91.000-7.

O sangue das vítimas do terremoto clama por justiça no Haiti. E nós brasileiros no adeus a Zilda Arns, coordenadora internacional da Pastoral da Criança, choramos a perda da médica, natural de Santa Catarina, que dedicou a vida em favor do próximo. Pela importante atuação, Zilda Arns recebeu os prêmios: "Heroína da Saúde Pública das Américas", concedido pela Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS), em 2002; o Prêmio Social 2005 da Câmara de Comércio Brasil-Espanha; a Medalha "Simón Bolívar", da Câmara Internacional de Pesquisa e Integração Social, em 2000; o Prêmio Humanitário 1997 do Lions Club Internacional; e, o Prêmio Internacional da OPAS em Administração Sanitária, 1994. (O Globo).

Que nossas memórias sempre recordem de Zilda e aprendam com o exemplo dela.
A letra da música Haiti, de uma dura ironia, composta por Caetano Veloso e Gilberto Gil em 1993, ecoa hoje diante do cenário do país:

HAITI*

Quando você for convidado pra subir no adro
Da fundação casa de Jorge Amado
Pra ver do alto a fila de soldados, quase todos pretos
Dando porrada na nuca de malandros pretos
De ladrões mulatos e outros quase brancos
Tratados como pretos
Só pra mostrar aos outros quase pretos
(E são quase todos pretos)
E aos quase brancos pobres como pretos
Como é que pretos, pobres e mulatos
E quase brancos quase pretos de tão pobres são tratados
E não importa se os olhos do mundo inteiro
Possam estar por um momento voltados para o largo
Onde os escravos eram castigados
E hoje um batuque um batuque
Com a pureza de meninos uniformizados de escola secundária
Em dia de parada
E a grandeza épica de um povo em formação
Nos atrai, nos deslumbra e estimula
Não importa nada:
Nem o traço do sobrado
Nem a lente do fantástico,
Nem o disco de Paul Simon
Ninguém, ninguém é cidadão
Se você for a festa do pelô, e se você não for
Pense no Haiti, reze pelo Haiti
O Haiti é aqui
O Haiti não é aqui
E na TV se você vir um deputado em pânico mal dissimulado
Diante de qualquer, mas qualquer mesmo, qualquer, qualquer
Plano de educação que pareça fácil
Que pareça fácil e rápido
E vá representar uma ameaça de democratização
Do ensino do primeiro grau
E se esse mesmo deputado defender a adoção da pena capital
E o venerável cardeal disser que vê tanto espírito no feto
E nenhum no marginal
E se, ao furar o sinal, o velho sinal vermelho habitual
Notar um homem mijando na esquina da rua sobre um saco
Brilhante de lixo do Leblon
E quando ouvir o silêncio sorridente de São Paulo
Diante da chacina
111 presos indefesos, mas presos são quase todos pretos
Ou quase pretos, ou quase brancos quase pretos de tão pobres
E pobres são como podres e todos sabem como se tratam os pretos
E quando você for dar uma volta no Caribe
E quando for trepar sem camisinha
E apresentar sua participação inteligente no bloqueio a Cuba
Pense no Haiti, reze pelo Haiti
O Haiti é aqui
O Haiti não é aqui
O Haiti é aqui
O Haiti não é aqui...

*Com uma população de cerca de 10 milhões de habitantes, o Haiti é o país mais pobre do hemisfério ocidental, de acordo com a CIA. A população sofre com as mortes provocadas por doenças como a Aids, além de problemas causados pela falta de saneamento básico. O país tem altos índices de mortalidade infantil e baixas taxas de crescimento populacional.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tropofonia do IMEL ganha prêmio Roquette Pinto de rádio-arte!

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos