Pular para o conteúdo principal

Bailarino cubano faz única apresentação do ballet Copélia em Minas Gerais

Primeiro bailarino do Ballet Nacional de Cuba, Lázaro Carreño, chegará em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil, amanhã 25/01, às 10h30, e estará no PIC Pampulha Iate Clube à Rua Claúdio Manoel 1185, 8°andar, Funcionários, a partir das 14 hs para conversar com jornalistas locais.

Ele vem ministrar disciplinas no VII INTERDANÇA ( http://interdanca.com/index.php) curso integral e intensivo de dança dirigido a estudantes e profissionais interessados em aperfeiçoar seus conhecimentos com a técnica, estilo e interpretação segundo os conceitos acadêmicos da dança clássica cubana, com as diversas disciplinas que integram a prática cênico-dançaria e a transmissão da experiência de trabalho de prestigiados professores e especialistas cubanos, brasileiros e norte-americanos e que escolheram entre os participantes, 04 (quatro) candidatos a bolsas de estudos no Milwaukee Ballet (EUA).

O curso tem por objetivo promover e difundir a metodologia de ensino da dança cubana, que possui elementos étnicos e expressões comuns ou afins ao bailarino latino-americano, assim como contribuir para o enriquecimento da visão do mundo da dança através do intercâmbio cultural entre os povos da América Latina e do Caribe.

O curso oferece aos participantes como experiência prática a oportunidade de se apresentar em público na montagem coreográfica do ballet do repertorio clássico tradicional “Coppelia”, Ballet completo em 3 atos para o encerramento do evento, dia 30 de janeiro, às 19h30m no Teatro Municipal Manoel Franzen, em Nova Lima.

Coppélia é o ballet cômico mais conhecido e certamente o mais apresentado, no entanto, é muito mais que uma peça engraçada. Criado quando Paris estava perdendo sua posição como capital da dança do mundo, e com a popularidade do balé estava em decadência, a estréia contou com a presença das principais figuras da sociedade parisiense.
Foi uma quebra na tristeza dos ballets românticos da época, Coppélia foi um sucesso imediato com seu humor, brilho e suas vigorosas danças nacionais.

Embora as raízes de Coppélia estivessem no ultrapassado movimento Romântico, esse ballet alcançava além, e criando uma base para o ballet clássico que ainda estava por vir.Os elementos fantásticos de Coppélia residem tão somente nas figuras mecânicas; as pessoas são muito humanas, e há um final feliz. A maior parte da trama é centralizada na figura de Dr. Coppélius. Durante décadas ele foi retratado de um feiticeiro do mal à um excêntrico, e até ridículo, homem velho. Tem sido visto tão somente, como um homem da ciência, que talvez tenha uma idéia distorcida da realidade.

Impressionado com o sucesso do ballet La Source (1866), Émile Perrin, diretor da Ópera de Paris, pediu à Charles Nuitter e Arthur Saint-Léon para que colaborassem novamente. Nuitter, arquivista da Ópera de Paris, trabalhou no libreto de Coppélia com o coreógrafo Saint-Léon. Léo Delibes, o qual também tinha composto parte da música de La Source, foi escolhido para ser o compositor.

O trabalho de Coppélia foi musicalmente avançado: as melodias eram mais líricas do que as usadas nas composições dos primeiros ballets, e Delibes compôs o tema de maneira a identificar os personagens e a atmosfera, pratica esta que se iniciou com Adam (com quem Delibes estudou) em Giselle. Apesar do sucesso e durabilidade inicial de Coppélia, o terceiro ato apresentou um problema para os coreógrafos subseqüentes: a estória de amor fica quase completa no final do 2° ato, quando Franz e Swanilda reconhecem suas respectivas bobagens. Alguns sentiram a necessidade de um grand pas de deux, o que era uma tradição clássica, para mostrar a maturidade e controle das personagens principais (embora seja desconhecido de que forma era dançado quando ambos as personagens eram mulheres); então o grand pas de deux foi inserido no contexto de uma série de divertissiments. Mas o original divertissiment do Festival do Sino foi considerado longo demais, e estranho para o enredo. As danças foram inicialmente encurtadas e mais tarde completamente cortadas. Nas produções subseqüentes foram tentadas diversas soluções, chegando inclusive a omitir por completo o 3° ato.

Foi na Rússia que o primeiro grand pas de deux com um homem dançando Franz surgiu. Curiosamente, havia um pas de deux na produção de Boston em 1887, mas não era Franz quem dançava, era o tocador de sino do festival que dançava com Swanilda, personagem que não existe mais no ballet.

APOIO : ASSOCIAÇÃO CULTURAL JOSÉ MARTI DE MINAS GERAIS
51º ANIVERSÁRIO DA REVOLUÇÃO CUBANA
--
Associação Cultural José Martí -MG
"Com todos e para o bem de todos"
R. Carijós,136 sala 1003 Centro - BH-MG
Fone:(31) 88059701/ 85863100

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tropofonia do IMEL ganha prêmio Roquette Pinto de rádio-arte!

"É com muita satisfação que a ARPUB e o MinC informam que o projeto Tropofonia: um laboratório de sons e sentidos, proposto pelo Instituto Imersão Latina - IMEL foi selecionado para receber o Prêmio Roqutette Pinto de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos, na categoria rádio-arte/experimentação sonora."

COMISSÃO DE SELEÇÃO DO I PRÊMIO ROQUETTE- PINTO
ARPUB - Associação das Rádios Públicas do Brasil

"Nós do Instituto Imersão Latina (IMEL) e do Tropofonia recebemos esta notícia hoje e agradecemos a todos que participaram desse processo de construção coletiva do projeto até aqui. O programa Tropofonia agora será disponibilizado para circular pelas rádios comunitárias e educativas de todo o Brasil. Que essa onda se perpetue por todos os ares da América Latina!"
Brenda Marques Pena, Presidente do Instituto Imersão Latina

A Comissão de Seleção do I Concurso de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos - Prêmio Roquette-Pinto foi composta pelos membros:

Patrick Torqua…

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos

“Realizar uma grande aliança dos quem tem modos de vida ligados a terra, as águas e as florestas, povos indígenas,comunidades de camponeses e ribeirinhos e demais entidades sociais que sofrem os impactos dos grandes projetos na Amazônia e de quem se solidariza com eles, para estabelecer a resistência a diversos níveis, local, regional, nacional einternacional”, é o que sugere uma das conclusões do Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos. As conclusões do Seminário foram publicadas no site do Cimi no último dia 6.


Eis a carta final do encontro:

Nós, membros de Movimentos Sociais e Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira, Peruana e Boliviana e do Conselho Missionário Indigenista – Cimi, reunidos no “Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos”, nos dias 2, 3 e 4 de junho de 2010, na cidade de Rio Branco, estado do Acre,

Considerando:

1) Que os grandes projetos da IIRSA(Iniciativa para Integração da Infra-Estrutura da América …

De volta à Pangéia: um dos contos DESnaturalizados de Brenda Mar(que)s Pena do Imersão Latina

De volta à Pangéia* Quem sabe a arte console hoje todos os corações solitários carentes da real beleza muda dos materiais e cores dos sonhos, como intocáveis desejos do querer. Esse era o último apelo de Péricles: viver um deja vu de emoções. Assim as lembranças tomavam o chá das onze com ele todos os dias, como se cada gota tivesse o gosto de um amigo ou amante distante. E foi assim todos os finais de noite, até que a terra se transformou novamente na Pangeia, quando não havia essa divisão entre continentes. E no meio desse emaranhado de terras Péricles viajou no tempo, provocando a erupção de mil vulcões até que a lavra do amor queimou para sempre os corpos…. Brenda Mar(que)s Pena durante lançamento de DESnaturalizados. Foto: Marja Marques *Miniconto do meu livro (DES)naturalizados. Exemplares à venda por R$ 15,00 no Coletivo Contorno (avenida do Contorno 4640 – sala 701, bairro Funcionários) e na Casa Leopoldina (rua Leopoldina 357, bairro Santo Antônio). Peça também pelo e-mail: co…