A música inclusiva no pensamento composicional

Enviada por Regina Mello

Dias 4 e 5 de fevereiro de 2010 às 15 horas no Espaço Cultural da Associação Mineira de Imprensa (AMI), Rua da Bahia l450, acontecerá uma leitura dramática da Tese de Doutorado do maestro-compositor Andersen Viana. Esta Tese é o resultado de pesquisas de 32 anos de atividades na área da música e intitula-se: Música inclusiva: o pensamento composicional inclusivista conectado ao uso do público,
nas obras musicais rumos op.72 de Ernst Widmer, instrução 61 e instrução 62
de Luiz Carlos Lessa Vinholes, e Santos Football Music de Gilberto Mendes”.

O objetivo do trabalho é investigar, conceituar e contextualizar estratégias musicais inclusivistas, relacionadas ao uso do público, nas obras Rumos Op.72 de Ernst Widmer, Instrução 61 e Instrução 62 de Luiz Carlos Lessa Vinholes, e Santos Football Music de Gilberto Mendes.

Através de diversas abordagens pretende-se também correlacionar estas estratégias com um repertório de obras de outros compositores brasileiros a partir da segunda metade do século XX, na tentativa de observar as particularidades deste repertório, bem como uma possível conexão entre o pensamento musical destes compositores. Como complemento, interligado a este tipo de estratégia musical inclusiva, ao final desta tese tem-se um novo modelo composicional teórico para posterior desenvolvimento em nível prático, utilizando estratégias composicionais inclusivistas. 
Andersen Viana nasceu em Belo Horizonte (MG). Atua como maestro-compositor, produtor cultural e leciona diversas matérias musicais no Palácio das Artes e Música de Cinema, na Escola Livre de Cinema. Especializou-se em Música para Cinema, tendo estudado nas seguintes instituições musicais no Brasil, Itália e Suécia: Reale Accademia di Bologna, Arts Academy of Rome, Accademia Chigiana di Siena, Royal College of Music de Estocolmo, UFMG e UFBA. Por sua obra musical, recebeu 20 premiações no Brasil e exterior, incluindo: 1º Lugar no Concurso Internacional de Composição ”Lys Music Orchestra 2001”, na Bélgica e dois prêmios em “Lambersart 2006”, na França. Em seu catálogo atual constam 267 obras, compostas para vozes, instrumentos acústicos e eletrônicos. Além da música trafega em outras áreas da cultura. Lançou em 2005 seu primeiro livro de ficção: Contos Cinematográficos Volume I.
Para mais informações sobre o professor acesse: http://www.andersen.mus.br/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tropofonia do IMEL ganha prêmio Roquette Pinto de rádio-arte!

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos