Pular para o conteúdo principal

Frente Brasil Popular quer unificar ação de movimentos sociais

Articulação que envolve centenas de organizações realizará conferência nacional de lançamento, em Belo Horizonte, neste sábado (5).
Por Pedro Rafael VilelaDe Brasília (DF)Brasil de Fato 
Em busca de unidade política para enfrentar a crise e os principais problemas da população, organizações sociais de todo o país decidiram se juntar em uma mesma articulação, denominada Frente Brasil Popular. A conferência nacional que formalizará a criação do novo grupo vai ser realizada neste sábado (5), na Assembleia Legislativa de Minas Gerais, em Belo Horizonte. São esperados milhares de militantes de movimentos populares, sindicais, pastorais, LGBT, organizações de juventude, do movimento negro, ativistas digitais, veículos de mídia alternativa, partidos políticos, intelectuais, religiosos, entre outros. Eles vão debater as propostas da Frente e aprovar um modelo de organização do grupo, que terá atuação em todo o território nacional.
“Está claro que as organizações e movimentos sociais sozinhos já não conseguem mais pressionar com a mesma força por suas demandas e as demandas do povo. Por isso, a iniciativa de construir uma frente foi justamente pensando na capacidade de articular consensos, definir pautas convergentes e fortalecer as lutas nas ruas”, avalia Beatriz Cerqueira, presidenta do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE) e dirigente estadual da Central Única dos Trabalhadores (CUT).
Ao todo, a Frente Brasil Popular vai atuar em seis eixos: direitos dos trabalhadores, direitos sociais, defesa da democracia, soberania nacional, reformas estruturais e integração latino-americana. Pela dinâmica proposta, os participantes da conferência vão se dividir em grupos temáticos para debater de forma detalhada cada uma dos eixos. Serão discutidos assuntos como: melhoria nas condições de vida da população (renda, emprego, transporte público, acesso à moradia), redução da maioridade penal e violência contra a juventude da periferia, reforma política, democratização da mídia, e reformas agrária, urbana e tributária.
A Frente deverá criar instâncias deliberativas e de organização, explica Frederico Santana Rick, da Consulta Popular. “A proposta que será apresentada prevê a realização de plenárias amplas nos municípios e comunidades, e que possam resultar na construção de coletivos”, detalha. “Há também a proposta de que, com o tempo, a Frente avance na construção de estruturas de base, como comitês e núcleos por temas”, acrescenta. Ao final, a conferência vai aprovar um calendário de lutas, cuja primeira ação deve ser um ato nacional, no dia 3 de outubro, contra as tentativas de mudança na lei do pré-sal em favor das empresas estrangeiras, o que pode comprometer os recursos para a saúde e educação.
Para o secretário-geral da União Nacional dos Estudantes (UNE), Thiago Pará, o lançamento da Frente ocorre em um momento crucial da conjuntura do país, que assiste ao acirramento das lutas sociais e a tentativa de setores mais conservadores de pautar em pautar o impeachment da presidenta Dilma Rousseff. “Não podemos aceitar nenhuma tentativa de golpe contra o voto popular, mas a discussão pela democracia não passa só por isso. Precisamos de reformas mais profundas, como a mudança do atual sistema político do país e a democratização dos meios de comunicação”, aponta.
Constituinte
Um dia antes da conferência, Belo Horizonte também sediará o Encontro Nacional e Popular pela Constituinte do Sistema Político. A atividade marca um ano do plebiscito popular que recolheu quase 8 milhões de votos em favor de uma assembleia nacional constituinte para modificar o atual sistema político, com o intuito de pôr fim ao financiamento empresarial de campanhas eleitorais, ampliar a representação das mulheres e da população negra nos cargos eletivos, fortalecer os mecanismos de participação social na política, entre outros. No mesmo dia, ativistas digitais, midialivristas e comunicadores vão realizar uma reunião nacional de mídias populares para debater estratégias de fortalecimento de uma rede de comunicação alternativa.

Leia a nota convocatória da conferência nacional da Frente Brasil Popular clicando
 aqui.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tropofonia do IMEL ganha prêmio Roquette Pinto de rádio-arte!

"É com muita satisfação que a ARPUB e o MinC informam que o projeto Tropofonia: um laboratório de sons e sentidos, proposto pelo Instituto Imersão Latina - IMEL foi selecionado para receber o Prêmio Roqutette Pinto de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos, na categoria rádio-arte/experimentação sonora."

COMISSÃO DE SELEÇÃO DO I PRÊMIO ROQUETTE- PINTO
ARPUB - Associação das Rádios Públicas do Brasil

"Nós do Instituto Imersão Latina (IMEL) e do Tropofonia recebemos esta notícia hoje e agradecemos a todos que participaram desse processo de construção coletiva do projeto até aqui. O programa Tropofonia agora será disponibilizado para circular pelas rádios comunitárias e educativas de todo o Brasil. Que essa onda se perpetue por todos os ares da América Latina!"
Brenda Marques Pena, Presidente do Instituto Imersão Latina

A Comissão de Seleção do I Concurso de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos - Prêmio Roquette-Pinto foi composta pelos membros:

Patrick Torqua…

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos

“Realizar uma grande aliança dos quem tem modos de vida ligados a terra, as águas e as florestas, povos indígenas,comunidades de camponeses e ribeirinhos e demais entidades sociais que sofrem os impactos dos grandes projetos na Amazônia e de quem se solidariza com eles, para estabelecer a resistência a diversos níveis, local, regional, nacional einternacional”, é o que sugere uma das conclusões do Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos. As conclusões do Seminário foram publicadas no site do Cimi no último dia 6.


Eis a carta final do encontro:

Nós, membros de Movimentos Sociais e Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira, Peruana e Boliviana e do Conselho Missionário Indigenista – Cimi, reunidos no “Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos”, nos dias 2, 3 e 4 de junho de 2010, na cidade de Rio Branco, estado do Acre,

Considerando:

1) Que os grandes projetos da IIRSA(Iniciativa para Integração da Infra-Estrutura da América …

De volta à Pangéia: um dos contos DESnaturalizados de Brenda Mar(que)s Pena do Imersão Latina

De volta à Pangéia* Quem sabe a arte console hoje todos os corações solitários carentes da real beleza muda dos materiais e cores dos sonhos, como intocáveis desejos do querer. Esse era o último apelo de Péricles: viver um deja vu de emoções. Assim as lembranças tomavam o chá das onze com ele todos os dias, como se cada gota tivesse o gosto de um amigo ou amante distante. E foi assim todos os finais de noite, até que a terra se transformou novamente na Pangeia, quando não havia essa divisão entre continentes. E no meio desse emaranhado de terras Péricles viajou no tempo, provocando a erupção de mil vulcões até que a lavra do amor queimou para sempre os corpos…. Brenda Mar(que)s Pena durante lançamento de DESnaturalizados. Foto: Marja Marques *Miniconto do meu livro (DES)naturalizados. Exemplares à venda por R$ 15,00 no Coletivo Contorno (avenida do Contorno 4640 – sala 701, bairro Funcionários) e na Casa Leopoldina (rua Leopoldina 357, bairro Santo Antônio). Peça também pelo e-mail: co…