III Conferência Nacional de Cultura encerra hoje consolidando propostas participativas para políticas culturais no Brasil

A III Conferência Nacional de Cultura (CNC), aberta na última quarta-feira (27) e que se encerra neste domingo (1º), em Brasília, teve seu primeiro dia de debates em grupos temáticos, nesta sexta-feira, envolvendo os cerca de 1,5 mil participantes. O novo modelo de mediação das discussões, que privilegia a participação de delegados e tendo apenas um painel de seminário. A estrutura de Grupos de Trabalho (GT) já é encarado pelos conferencistas como um "caminho sem volta", um "espetáculo participativo".
A nova metodologia, aprovada pela Plenária Nacional na quinta-feira, restringiu a programação de seminários e de expositores – comuns em conferências –, reservando dois dias para as discussões em GTs, para cada um dos 16 subeixos, no primeiro dia, e para os quatro eixos temáticos no sábado, quando serão definidas as 64 diretrizes para as políticas públicas culturais. A Plenária Final, no domingo pela manhã, será espaço para a votação das 20 proposições prioritárias, indicação para os gestores do setor.
A metodologia foi proposta pelo Comitê Executivo da III CNC. Davy Alexandrisky, conselheiro Nacional de Políticas Culturais, representante da sociedade civil e delegado nato dessa Conferência, além de defensor da proposição, comemora os resultados parciais e fala em "espetáculo participativo".
"Ganhamos tempo para estabelecer um consenso e estamos privilegiando as discussões, ponto que o modelo antigo não possuía. Temos certeza que chegaremos à Plenária Final com uma redação mais afinada e alinhada", diz o conselheiro, que entende estar diante de um "caminho sem volta", na elaboração de uma organização de conferência.
Para Davy, o processo ainda servirá para recuperar as discussões das etapas anteriores dessa Conferência. Estados e Municípios ainda utilizaram da metodologia antiga de discussões, após apresentações de painéis. "Estamos aperfeiçoando esse material que chegou à etapa nacional", continua.
André Dutra, delegado do Paraná, representante de governo, ator e funcionário público da Secretaria de Cultura de Cascavel, também aprova o novo modelo.
"Não há dúvidas de que o método é mais produtivo. Percebe-se a fluência das discussões que, nos seminários, podem gerar diversas situações incômodas, com microfones abertos e avançamos muito nas adequações das propostas iniciais", disse Dutra.

Veja mais imagens da III CNC, na página do Flickr do MinC.
(Texto: Renato Pena)
(Foto home: André Coutto)
(Foto interna: Tássio)

III Conferência Nacional de Cultura
27 de novembro a 1º de dezembro - Centro de Convenções Brasil 21 – Brasília/DF
Fonte: Ministério da Cultura
http://cultura.gov.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos

Tropofonia do IMEL ganha prêmio Roquette Pinto de rádio-arte!

De volta à Pangéia: um dos contos DESnaturalizados de Brenda Mar(que)s Pena do Imersão Latina