Pular para o conteúdo principal

Escadaria ganha prêmio do Ministério do Tursmo por promover intercâmbio entre circuitos culturais


O Projeto Escadaria, iniciativa da Belotur em parceria com a Federação dos Circuitos Turísticos Mineiros (Fecitur), para promover o intercâmbio turístico e cultural entre os Circuitos Turísticos de Minas Gerais, ganhou o prêmio Melhores Práticas, na categoria Cooperação Regional, oferecido pelo Ministério do Turismo às ações dos 65 Destinos Indutores do Desenvolvimento Turístico Regional no Brasil.

Belo Horizonte foi premiada na dimensão Cooperação Regional, onde se destacam ações que envolvem governança, planejamento turístico e cooperação entre regiões, além da roteirização e da promoção e comercialização dos destinos de forma integrada.

O resultado foi divulgado no site do MTur (www.turismo.gov.br) e o Troféu Roteiros do Brasil será entregue à Belotur no mês de dezembro, durante solenidade em Brasília.

Os 65 Destinos Indutores são os destinos reconhecidos pelo MTur como impulsionadores do desenvolvimento nos respectivos roteiros e regiões turísticas em que estão inseridos. A premiação tem por objetivo reconhecer, compartilhar e estimular a boa prática de ações destes destinos voltadas ao desenvolvimento turístico regional.

No total, foram selecionadas para esta premiação, 26 melhores práticas dos 65 Destinos Indutores do Desenvolvimento Turístico Regional, sendo 13 referentes a Capitais e outras 13 referentes a Não-Capitais. As iniciativas premiadas abrangem as 13 dimensões que compõem o Estudo de Competitividade, realizado pelo MTur. Sebrae e FGV, junto aos destinos indutores do turismo regional, a saber: Infraestrutura Geral, Acesso, Serviços e Equipamentos Turísticos, Atrativos Turísticos, Marketing e Promoção do Destino, Políticas Públicas, Cooperação Regional, Monitoramento, Economia Local, Capacidade Empresarial, Aspectos Sociais, Aspectos Ambientais, Aspectos Culturais.

A avaliação das práticas foi realizada por representantes dos ministérios do Turismo, do Meio Ambiente, das Cidades, da Integração, do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, além do Sebrae Nacional, da FGV e da Anseditur (Associação Nacional de Secretários e Dirigentes de Turismo das Capitais e Destinos Indutores).


COOPERAÇÃO REGIONAL

Lançado no mês de dezembro de 2009, o Projeto Escadaria faz parte do conjunto de ações da Belotur que envolvem o incremento do fluxo turístico interno do Estado, atendendo diretamente ao programa de Regionalização do Turismo, proposto pelo Ministério do Turismo.

O local escolhido para abrigar a mostra do Projeto Escadaria integra a área da Feira de Artesanato da Avenida Afonso Pena, onde, a cada domingo, circulam cerca de 80 mil visitantes, entre moradores e turistas, que tiveram a oportunidade de conhecer mais das riquezas de Minas.

Ao longo do ano de 2010, 36 circuitos turísticos de diversas regiões do Estado estiveram presentes na Escadaria da PBH, cujo local foi especialmente preparado para receber os circuitos, que trouxeram grande variedade de produtos do artesanato e apresentações culturais ligadas ao folclore e a atividades contemporâneas. Matérias-primas inovadoras, produtos com material reciclado e reutilizado e quitutes e bebidas da gastronomia típica mineira atraíram a atenção dos visitantes e dos próprios feirantes da Feira de Artesanato da Av. Afonso Pena, que puderam adquirir e até aprender ou repassar novas técnicas de confecção e vendas.

O intercâmbio entre circuitos turísticos proporcionado pelo Projeto Escadaria busca fortalecer o potencial turístico de Belo Horizonte e dos demais circuitos mineiros, por meio da meio da troca exitosa de experiências e da valorização das culturas de cada região. “Nossa intenção é estimular o desenvolvimento socioeconômico dos municípios por meio do estímulo à competitividade, ao empreendedorismo e à criação de novos negócios”, destaca o presidente da Belotur, Júlio Pires.

Para quem ainda não visitou a Escadaria, a mostra acontece até dezembro, e ainda irá receber os circuitos Rota do Muriqui (próximo dia 14), Villas e Fazendas (dia 21), Lago Três Marias (dia 28), Terras Altas da Mantiqueira (dia 5) e, no dia 12 de dezembro, recebe o Circuito Serra do Cipó, além de outras atrações especiais em comemoração ao encerramento do Projeto e ao aniversário de 113 anos da capital.


ATRAÇÕES PARA TODOS OS GOSTOS

Marcado pela preservação e valorização da cultura mineira, a mostra do projeto Escadaria trouxe manifestações culturais diversas, expressas na gastronomia, na música e no artesanato.

Saborosos quitutes típicos, como queijos, doces, biscoitos e cachaças, e peças de artesanato, como pintura, bordados, tecelagens e esculturas, entre outros produtos, agradaram a visitantes de todas as idades.

Artistas de diversas partes do Estado, representando tradições folclóricas regionais como as Cantigas de Roda, a Folia de Reis, o Batuque e o Congado, deram mostra de nossa rica identidade cultural.

O repertório musical para todos os gostos também foi destaque durante os domingos, na Escadaria. Forró, bolero, sertanejo, MPB, samba, pop rock, apresentações de dança espanhola e de grupos participantes do Festival Internacional de Corais (FIC) e da Banda da Guarda Municipal de Belo Horizonte fizeram o público cantar e se emocionar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tropofonia do IMEL ganha prêmio Roquette Pinto de rádio-arte!

"É com muita satisfação que a ARPUB e o MinC informam que o projeto Tropofonia: um laboratório de sons e sentidos, proposto pelo Instituto Imersão Latina - IMEL foi selecionado para receber o Prêmio Roqutette Pinto de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos, na categoria rádio-arte/experimentação sonora."

COMISSÃO DE SELEÇÃO DO I PRÊMIO ROQUETTE- PINTO
ARPUB - Associação das Rádios Públicas do Brasil

"Nós do Instituto Imersão Latina (IMEL) e do Tropofonia recebemos esta notícia hoje e agradecemos a todos que participaram desse processo de construção coletiva do projeto até aqui. O programa Tropofonia agora será disponibilizado para circular pelas rádios comunitárias e educativas de todo o Brasil. Que essa onda se perpetue por todos os ares da América Latina!"
Brenda Marques Pena, Presidente do Instituto Imersão Latina

A Comissão de Seleção do I Concurso de Fomento à Produção de Programas Radiofônicos - Prêmio Roquette-Pinto foi composta pelos membros:

Patrick Torqua…

Os Grandes projetos na Amazônia e seus impactos

“Realizar uma grande aliança dos quem tem modos de vida ligados a terra, as águas e as florestas, povos indígenas,comunidades de camponeses e ribeirinhos e demais entidades sociais que sofrem os impactos dos grandes projetos na Amazônia e de quem se solidariza com eles, para estabelecer a resistência a diversos níveis, local, regional, nacional einternacional”, é o que sugere uma das conclusões do Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos. As conclusões do Seminário foram publicadas no site do Cimi no último dia 6.


Eis a carta final do encontro:

Nós, membros de Movimentos Sociais e Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira, Peruana e Boliviana e do Conselho Missionário Indigenista – Cimi, reunidos no “Seminário Internacional de Grandes Projetos na Amazônia e seus Impactos”, nos dias 2, 3 e 4 de junho de 2010, na cidade de Rio Branco, estado do Acre,

Considerando:

1) Que os grandes projetos da IIRSA(Iniciativa para Integração da Infra-Estrutura da América …

De volta à Pangéia: um dos contos DESnaturalizados de Brenda Mar(que)s Pena do Imersão Latina

De volta à Pangéia* Quem sabe a arte console hoje todos os corações solitários carentes da real beleza muda dos materiais e cores dos sonhos, como intocáveis desejos do querer. Esse era o último apelo de Péricles: viver um deja vu de emoções. Assim as lembranças tomavam o chá das onze com ele todos os dias, como se cada gota tivesse o gosto de um amigo ou amante distante. E foi assim todos os finais de noite, até que a terra se transformou novamente na Pangeia, quando não havia essa divisão entre continentes. E no meio desse emaranhado de terras Péricles viajou no tempo, provocando a erupção de mil vulcões até que a lavra do amor queimou para sempre os corpos…. Brenda Mar(que)s Pena durante lançamento de DESnaturalizados. Foto: Marja Marques *Miniconto do meu livro (DES)naturalizados. Exemplares à venda por R$ 15,00 no Coletivo Contorno (avenida do Contorno 4640 – sala 701, bairro Funcionários) e na Casa Leopoldina (rua Leopoldina 357, bairro Santo Antônio). Peça também pelo e-mail: co…